AINDA INDEFINIDO O SENÁRIO ELEITORAL NO RS

Após a realização das principais convenções estaduais, poucas peças restam para finalizar o quebra-cabeças para a formação das chapas majoritárias, aquelas compostas pelo candidato ao governo, seu vice, e o postulante ao Senado. Das dez candidaturas ou pré-candidaturas apresentadas, sete têm a trinca de nomes definidos. Mesmo assim, alguns impasses seguem. Entre elas, a chapa do ex-governador Eduardo Leite (PSDB) que, após uma votação interna que provocou a pulverização do MDB, tem Gabriel Souza escolhido como seu vice, que foi referendado pelo partido ontem, e Ana Amélia Lemos (PSD), candidata ao Senado.

No entanto, há pendências referentes a dois partidos que ficaram de fora das indicações da chapa: Podemos e União Brasil. A situação de Lasier Martins (Podemos) ainda é indefinida. Lançado também como candidato ao Senado, há conversas para que dispute algum dos cargos das eleições proporcionais.
Outra questão a ser resolvida é quanto ao apoio do União Brasil. Anunciado como certo, após a aliança com os emedebistas e a perda da prioridade na indicação do vice, há um estremecimento na relação. Os tucanos, federados com o Cidadania, seguem tentando “apagar o incêndio” para confirmar a aliança acerca de Leite, que contaria com seis siglas. Uma reunião foi realizada no final da tarde de ontem, mas a questão ainda deverá ser debatida com a executiva nacional do União Brasil.

Definições deverão ocorrer até sexta-feira

As definições do cenário eleitoral deverão ser definidas até sexta-feira, último dia das convenções. A chapa de Onyx Lorenzoni (PL), que tem a presença do vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos) como candidato ao Senado, segue com a vaga de vice aberta. Onyx afirmou recentemente que a candidatura, que tem apoio também do Pros e do Patriota, deixaria a escolha para o limite legal, para manter as negociações com outras siglas. A vaga chegou a ser oferecida ao MDB, que acabou fechando com o PSDB. No entanto, esse movimento pode ter aberto flanco para que o União Brasil voltasse a ser cogitado.

Comentários