RS PODE COLHER A MAIOR SAFRA DE TRIGO DA HISTÓRIA

Se as condições climáticas até novembro se mantiverem adequadas, os triticultores poderão colher a maior safra de trigo da história do Estado. Conforme primeira projeção divulgada, nesta terça-feira, pela Emater-RS/Ascar, em Porto Alegre, a expectativa é que a produção gaúcha alcance 3,99 milhões de toneladas neste ano. O volume é 12,53% maior que o obtido no ciclo anterior, considerado, até então, com rendimento recorde ao totalizar 3,54 milhões de toneladas. E supera em mais de 2 milhões de toneladas a marca de 2013, a terceira maior, de 3,3 milhões de toneladas.

A conquista será obtida mediante um acréscimo de 15% na área plantada com o grão, que deve chegar a 1,4 milhão de hectares – a maior desde 1980 –, ante 1,2 milhão de hectares cultivado no ciclo anterior. Segundo o diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri, o incremento de área é mais evidente em plantações de Santa Rosa, Ijuí e Frederico Westphalen. E deve-se à conjuntura, com preços favoráveis, e à necessidade de rentabilizar a atividade, especialmente após a estiagem do verão. “O produtor se especializa nas culturas de inverno para intensificar o uso da terra. Agora, com a tecnologia desenvolvida tanto por empresas privadas como pelas públicas, temos desenvolvimento genético que possibilita altos rendimentos”, explica.

O coordenador da Câmara Setorial do Trigo da Secretaria da Agricultura (SEAPDR), Tarcísio Minetto, reconhece que as últimas três safras capitalizaram o produtor. Mas lembra que o contingenciamento da verba complementar ao Plano Safra 2021/22 ainda pode refletir no campo. “Alguns tiveram dificuldade na implementação da lavoura, pois o prazo para tomada de financiamento vence dia 30”, lembra. No entanto, o presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS), Paulo Pires, garante: “A resiliência é uma característica forte do setor, que não está deixando de plantar por isso”.

Conforme a Emater, a perspectiva total de colheita para a safra de inverno do Estado é de 5 milhões de toneladas de grãos, com um aumento de 11,9%. Devem ser colhidas, além do trigo, 870,2 mil toneladas de aveia branca, 108,6 mil toneladas de cevada e 91,3 mil toneladas de canola.

Comentários