YAKEKAN DEIXA RASTR0 DE ESTRAG0S

O avanço do ciclone Yakecan pelo território do Rio Grande do Sul segue promovendo estragos. Na noite desta terça-feira, os ventos fortes provocados pela tempestade causaram o destelhamento do hospital de Tramandaí, no Litoral Norte gaúcho.

A informação foi confirmada pelo Corpo de Bombeiros Militar no Twitter. Localizado na Avenida Atlântica, no centro do município, o hospital foi atingido e parte do telhado foi arrancado pela força da tempestade.

O gerente administrativo Roger Vinicius Rosa Esteves explicou que a parte do telhado que desabou, por volta das 22 horas de terça-feira, é onde ficam os pacientes clínicos cirúrgicos, ou seja, que serão encaminhados para operações. No local, havia 14 leitos que, em um primeiro momento, foram remanejados para outras alas. “É importante salientar que ninguém se feriu com destroços”, disse. Esteves antecipa que na quarta-feira de manhã deverá se reunir  com prefeitos de Tramandaí, Imbé e empresários locais para planejar as resoluções. “Acredito que tenhamos que remover pacientes para hospitais próximos, como o de Capão da Canoa e Santo Antônio da Patrulha”, contou.

Essa não foi a primeira vez que essa estrutura cai. “Há uns quatro anos ocorreu isso, mas dessa vez vamos nos unir para que não ocorra novamente”, salientou. O Hospital Tramandaí tem capacidade para atender 150 pacientes internados.

De acordo com a MetSul Meteorologia, há relatos de rajadas fortes a intensas de vento nas regiões de Osório, Tramandaí e Imbé. A cidade de Tramandaí, no momento, tem diversos pontos com falta de luz.

Mais cedo, o Yakecan agiu na região Sul do Estado. Até a noite desta terça-feira, a Defesa Civil e a Prefeitura de Rio Grande, município mais afetado da região, reportaram casas destelhadas, árvores caídas, poste em curto-circuíto, e moradores que precisaram ser acolhidos em um alojamento improvado porque foram impedidos de retornarem para suas casas em decorrência do ciclone.

No entanto, de acordo com a MetSul Meteorologia, o pior na região já passou. A expectativa é de que se intensifique no Litoral Norte e região metropolitana.

Comentários