CONGRESSO NACIONAL VALTA ÀS ATIVIDES

A retomada das atividades do Congresso Nacional nesta quarta-feira foi marcada por discursos permeados de recados relacionados à eleição de outubro. Atual presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), em um dos momentos, foi enfático ao dizer que o “tensionamento eleitoral” deveria ficar para a campanha. “Deixemos a eleição para outubro”.

Já o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), foi direto, ao afirmar que a atuação política deve ser pela defesa da democracia, incluindo evitar ações autoritárias, e da liberdade de imprensa. E, ao encerramento, enfatizou que sobre o resultado da eleição caberá aos vencedores fazer boa gestão e aos perdedores respeitar o resultado.

Apesar da incerteza se estaria presente, o presidente Jair Bolsonaro (PL) também fez discurso cheio de recados eleitorais. A própria mensagem entregue serviu como um balanço das ações feitas pelo governo federal nos últimos anos, entre elas durante a pandemia da Covid-19, o que é esperado de alguém que deverá disputar a reeleição. Porém, foi em um trecho que não constava no documento oficial divulgado pelo Planalto que o tom foi elevado. Bolsonaro afirmou que não “virá pedir (ao Congresso) pela regulamentação da mídia e da Internet. E espero que isso não seja regulamentado”.

Comentários