ALERTA PARA 12 REGIÕES

O governador Eduardo Leite anunciou, na tarde desta quarta-feira, que 12 das 21 regiões Covid-19 do Estado receberão o Alerta, com base nos indicadores do Sistema 3As de Monitoramento. São elas: Porto Alegre, Santa Maria, Uruguaiana, Capão da Canoa, Novo Hamburgo, Canoas, Santa Rosa, Erechim, Passo Fundo, Pelotas, Caxias do Sul e Lajeado. 

A decisão ocorreu após uma reunião com Gabinete de Crise realizada hoje sobre a situação da pandemia no Estado, em que os dados sobre a contaminação do coronavírus têm aumentado diariamente. Nesta quarta, o Rio Grande do Sul registrou  21.122 novos casos, segundo a Secretaria Estadual da Saúde (SES). 

Por duas semanas consecutivas, o Piratini emitiu o Aviso para todas as regiões Covid do Estado. De acordo com Leite, estas 12 regiões apresentaram não só aumento de casos diários de coronavírus, mas também elevação de ocupação de leitos clínicos e de terapia intensiva por conta da doença. “Ainda é uma situação de extremo cuidado. Estamos todos cansados”, afirmou.

As regiões agora terão que elaborar um plano de ação para conter a disseminação do vírus. Conforme o governador, a partir do Alerta as regiões devem apresentar algum tipo de solução, como “restrição de algum tipo de atividade” e “redução de possibilidade de aglomeração”. “Não queremos chegar a ponto de (adotar) medidas mais drásticas, como fizemos em outras circunstâncias”, frisou. 

Mesmo com crescimento vertiginoso dos diagnósticos confirmados para o coronavírus, Leite descartou adotar medidas restritivas. “Não pretendemos fazer qualquer restrição a atividades econômicas”, disse. Ele também apelou para que a população colabore para a prevenção contra o vírus. “Não ajam como se a pandemia estivesse acabado. Para parte da população pode ser mais leve, por causa da vacinação, mas para outras, pode ser letal”, alertou.

Leitos clínicos e de UTI

O governador admite que o “momento é delicado e merece toda atenção”, mas avalia que a ocupação de leitos clínicos e de UTI no Estado não acompanha o aumento de casos em decorrência da variante ômicron. “Existe uma disseminação claramente muito grande do vírus”, destaca.”Essas regiões apresentam aumento de ocupação de leitos clínicos e de UTI, o que prenuncia o que está por vir pela frente, como algum tipo de dificuldade de atendimento para a população”, completou.

Ao mesmo tempo que emitiu alerta para as 12 regiões Covid, o governador ressalta uma nova frente de batalha: a manutenção do custeio dos leitos clínicos e de UTI, por parte do Ministério da Saúde, destinados a pacientes com a doença. “O Ministério afirmou que vai deixar de custear isso a partir de fevereiro”, frisa. “Trabalhamos para que não haja esse encerramento, vamos trabalhar para não fechar 1.057 leitos Covid-19”, completa.

Leite afirma que uma possibilidade é é a habilitação de 315 leitos de UTI em ‘condição normal de custeio’, com custeio de R$ 600 do Ministério da Saúde. “É bem menos do que os R$ 1,6 mil que aporta para leitos de Covid-19”.

Comentários