BRASIL DOBRA EXPORTAÇÕES DE VINHO

Por que o consumo de vinho no Brasil é tão baixo? - Dom Wine

Sem os dados de dezembro, as exportações de vinhos brasileiros deste ano já são praticamente o dobro do consolidado em 2020. No acumulado de 11 meses, o setor alcançou volume superior a 11,4 milhões de litros, em alta de 99,2%. É o melhor resultado desde 2014.Em volume, os vinhos finos totalizaram 7,57 milhões de litros, incremento de 91,2%. O suco de uva chegou a 2,7 milhões, com aumento de 169,5%. Já os espumantes tiveram aceleração de 32,5%, alcançando 869 mil litros. O interesse pelo rótulo é uma realidade cada vez mais presente, com embarques para 53 países. “Avançamos na conquista de premiações internacionais e em parcerias de promoção do vinho brasileiro no exterior. Somados aos investimentos da indústria brasileira, a estratégia tem assegurado esta retomada do mercado externo”, comemora o presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Luis Argenta. Atualmente, o Brasil elabora vinhos em 26 regiões em 10 estados brasileiros.

Com o convênio de parceria assinado com a Apex-Brasil, em 14 de dezembro, em torno do Projeto Setorial Wines of Brazil, a Uvibra espera seguir promovendo os produtos brasileiros por meio da participação em feiras, missões comerciais e eventos promocionais. Os países-alvo do convênio são China, Estados Unidos, Reino Unido, Portugal e Alemanha, seguidos pelo Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Japão. São R$ 5 milhões, sendo 60% oriundos da Apex-Brasil e 40% em contrapartidas da Uvibra-Consevitis e das vinícolas associadas ao projeto. Para Argenta, o reconhecimento internacional tem influenciado diretamente na imagem do vinho brasileiro lá fora. Neste ano, foram arrematadas 414 medalhas em concursos internacionais, 29% a mais do que em 2020. Com este recorde e premiações, os vinhos e espumantes brasileiros chegam a 5.910 distinções desde 1995. Este ano, o reconhecimento veio de 18 concursos realizados na Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Espanha, França, Grécia, Hungria, Inglaterra, Luxemburgo e Portugal.

Comentários