MESMO COM OCUPAÇÃO ABAIXO DO LIMITE RS REGISTRA 82,7 % DE LEITOS DE UTI OCUPADOS

Saúde autoriza mais de 2,7 mil leitos de UTI para 22 estados | Agência  Brasil

O Rio Grande do Sul fechou a tarde deste domingo com taxa de ocupação geral dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) em 82,7%. Até às 18h30, no painel de monitoramento da Secretaria Estadual da Saúde (SES) havia 2.808 pacientes para 3.395 leitos. Desse total, 67,4% (1.893) estão relacionados ao coronavírus e 32,6% recebem tratamento intensivo por conta de outros problemas de saúde. Neste domingo, as redes pública e privada completaram o quarto dia consecutivo com as UTIs operando abaixo da capacidade máxima. No entanto, a sobrecarga maior permanece nos leitos privados com 95,6%. Já as vagas destinadas ao SUS estão com 78,1% lotação. Mesmo que o Estado esteja conseguindo manter a ocupação geral abaixo da capacidade máxima, a fila de espera dos que aguardam remoção para um leito de alta complexidade é de 86 pacientes, sendo 34 a capital. Contudo, o número implica em uma retração de 10%, se comparado ao número de pessoas que estavam nesta condição na última sexta-feira. Em Porto Alegre, a taxa de ocupação das UTIs é de 90,97%. Entretanto, os hospitais Conceição, Beneficência Portuguesa, Porto Alegre e Pronto Socorro não tinha enviado atualização a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) sobre as suas situações operacionais até o fechamento desta reportagem. Atualmente, são 866 pessoas internadas em estado grave, segundo a SMS. Dessas, 60% estão relacionadas a Covid-19, sendo 485 testaram positivo e 16 aguardam os resultados dos exames, apesar de apresentarem os sintomas da doença.

COMEÇA HOJE INSCRIÇÃO PARA O PROUNI

Prouni: saiba tudo sobre o programa - Vai de Bolsa

Começam hoje (3) as inscrições para o processo seletivo de bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (Prouni), para o primeiro semestre deste ano. As inscrições devem ser realizadas, exclusivamente, na página do Prouni até as 23h59 de amanhã (4), e o resultado será divulgado na sexta-feira (7). As bolsas remanescentes são aquelas não preenchidas no processo seletivo, nas duas chamadas regulares e também na lista de espera do programa. A disponibilidade dessas bolsas ocorre por desistência dos candidatos pré-selecionados ou falta de documentação, por exemplo. O Ministério da Educação (MEC) ainda não divulgou a quantidade de vagas remanescentes. Neste semestre, o Prouni ofereceu, no total, mais de 162 mil bolsas. O Prouni é o programa do governo federal que oferece bolsas de estudo, integrais e parciais (50%), em instituições particulares de educação superior. Para ter acesso à bolsa integral, o estudante deve comprovar renda familiar bruta mensal de até 1,5 salário mínimo por pessoa. Para a bolsa parcial, a renda familiar bruta mensal deve ser de até 3 salários mínimos por pessoa. É necessário também que o estudante tenha cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede privada, desde que na condição de bolsista integral. Professores da rede pública de ensino também podem disputar uma bolsa, e, nesse caso, não se aplica o limite de renda exigido dos demais candidatos. Nova regra —- No último dia 15, o MEC publicou a Portaria nº 212/2021, que trata da ocupação de bolsas remanescentes do Prouni e estabelece a nova regra para a classificação dos candidatos. A partir de agora, a classificação dos inscritos em cada um dos processos de ocupação de vagas remanescentes do Prouni vai considerar a média aritmética simples das notas obtidas nas cinco provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que são a de linguagens, códigos e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e suas tecnologias; e a prova de redação. O candidato será classificado na ordem decrescente da pontuação obtida no Enem, na opção de curso, turno, local de oferta e instituição de ensino para o qual se inscreveu, observado o limite de bolsas do Prouni disponíveis em cada período de inscrição.

DIA 1° DE MAIO É MARCADO COM MANIFESTAÇÕES PRÓ GOVERNO

De sábado, 01 de maio, data em que se comemora o Dia Internacional do Trabalhador, diversas capitais e grande maioria das cidades brasileiras registraram manifestações pró-governo. O fato foi escondido por parte da imprensa que não deram uma linha se quer ou não mostraram o grande protesto. Os manifestantes trajavam roupas nas cores verde e amarela e empunhavam faixas que pediam o fim da corrupção, a criminalização do comunismo, defendiam o voto impresso e proferiam ataques ao STF (Supremo Tribunal Federal). O grupo também gritavam palavras em apoio a Jair Bolsonaro e diziam que “autorizavam o presidente a agir”, em resposta à uma fala do presidente sobre “esperar uma sinalização da população para tomar certas atitudes”. Em Brasília os manifestantes fizeram carreata e se encaminharam para a Esplanada dos Ministérios, na região central de Brasília, onde se reuniram. O presidente, por sua vez, evitou a aglomeração e marcou presença sobrevoando a região de helicóptero.

NA SERRA GAÚCHA

Na região da Serra várias cidades realizaram, no sábado, carreata favorável ao presidente Jair Bolsonaro, ao voto impresso e auditável, e que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) comprove a segurança do sistema. A carreata contou com participantes das cidades de Antônio Prado, Bento Gonçalves, Boa Vista do Sul, Carlos Barbosa, Caxias do Sul, Farroupilha, Flores da Cunha, Nova Roma do Sul e São Marcos. O grupo se reuniu em comboio em Farroupilha e seguiu até o Santuário de Nossa Senhora de Caravaggio, onde realizaram uma oração pela família brasileira, e após entoaram o Hino Nacional em respeito à pátria. Em seguida, a carreata se deslocou para a cidade de Caxias do Sul, para finalizar o ato em frente ao quartel do 3º Grupo de Artilharia Antiaérea do Exército Brasileiro.

VACINA CONTRA COVID 19 EM VERANÓPOLIS

A Campanha Nacional contra a Covid-19 segue em Veranópolis, contemplando nesta nova etapa as pessoas que possuem comorbidades. Nesta primeira fase, estará disponível a vacina contra a Covid-19 para:

  • Pessoas com síndrome de Down, acima de 18 anos;
  • Pessoas com doença renal crônica em terapia de substituição renal (que fazem hemodiálise), acima dos 18 anos;
  • Gestantes e puérpera com comorbidades, acima dos 18 anos;
  • Pessoas com comorbidades de 55 a 59 anos (conforme doenças descritas na tabela);
  • Pessoas com Deficiência Permanente cadastradas no Programa de Benefício de Prestação Continuada (BPC) de 55 a 59 anos.

A vacinação contra a Covid-19 para esse público estará disponível em todos os Postos de Saúde, nos dias 04, 05,06 e 07 de maio, de terça a sexta-feira, conforme horário de funcionamento de cada unidade de saúde. É muito importante que as pessoas de 55 a 59 anos que possuem alguma comorbidade, verifiquem a tabela em anexo, para averiguar em que doença se encaixa e qual documento é necessário apresentar para realizar a vacinação contra a Covid-19. Além do documento comprovando a comorbidade, é necessário apresentar documento de identificação, CPF, Cartão de Vacinação e Cartão do SUS.

COLHEITA DA SOJA ATINGE 80% NO ESTADO

Qualidade e preços são destaques no encerramento desta safra

A colheita de soja avançou de forma significativa, beneficiada pelo clima seco, e atinge 80% da área cultivada no Rio Grande do Sul. O produtor está satisfeito com a produtividade e preços praticados, que continuam em alta. De acordo com o Informativo Conjuntural da Emater/RS-Ascar, 18% das áreas de soja estão em maturação e 2% das lavouras, em enchimento de grãos. Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, a colheita da soja chega a 95%. O produto colhido apresenta baixa umidade e alta incidência de grãos quebrados e verdes, devido à maturação desuniforme. Com a retirada da cultura, os produtores intensificam a coleta de amostras de solo e realizam a distribuição de calcário nas áreas onde o laudo de análise recomenda correção da acidez do solo ou para elevar a saturação de bases da solução do solo. No milho grão, a colheita avançou pouco na semana, pois muitos produtores ainda priorizam a colheita de soja e arroz, e chega a 82% da área no Estado. O produto segue com boa cotação, o que favorece produtores que tiveram considerável redução de produtividade em suas lavouras, causada pela estiagem da primavera e agora por novo estresse hídrico. Na regional administrativa da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, com 85% da área de milho colhida, a produtividade média das lavouras está em 3.114 quilos por hectare. Aumentaram os relatos sobre lavouras com problemas de enfezamento, em consequência do ataque de cigarrinhas, sendo observada entre as variedades grande diferença de comportamento em relação à doença. Na de Passo Fundo, a colheita chegou a 99% das áreas; de maneira geral, a produtividade final tende a ser bem maior do que a esperada inicialmente, quando a baixa precipitação indicava restrição ao potencial produtivo .No arroz, a safra está praticamente finalizada, com 95% das áreas colhidas, e apresenta ótimos resultados. Na regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, as produtividades obtidas são consideradas muito boas, com lavouras superando 9 mil quilos por hectare em Alegrete. O rendimento de grãos inteiros é bom, havendo variação conforme a época de plantio, cultivar utilizada e o nível de investimento adotado, especialmente a quantidade de fertilizantes. A maior parte das lavouras colhidas é utilizada em sistema de integração para engorda de bovinos. Em relação ao trigo, em várias regiões a perspectiva é de aumento da área cultivada e também de melhoria no nível tecnológico. Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, seguem os preparativos para a implantação da nova safra de trigo. Produtores dão prioridade à escolha e aquisição de insumos. Embora estejam com preços elevados, o custo total da produção da cultura para esta safra é inferior ao apurado na safra 2020, devido à valorização do produto no preço pago aos produtores.

ATO DE OPOSIÇÃO AO GOVERNO MARCOU DIA 1° DE MAIO

Protesto contra visita de Bolsonaro ao Rio Grande reúne 'gatos pingados'  órfãos do lulopetismo – Tá na Área
Dia do Trabalhador tem live com Lula, Dilma e Ciro Gomes; veja os discursos  - Política - Diário do Nordeste

Um ato virtual marcou as celebrações pelo Dia do Trabalho, no sábado, dia 1° de maio. Em ato feito pela internet, batizado de “1º de Maio Pela Vida”, o ato foi promovido pelas principais lideranças sindicais brasileiras, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical. Apesar de marcado para a internet, houve manifestações na rua. O Partido da Causa Operária (PCO) convocou uma manifestação presencial na Praça da Sé, no centro de São Paulo, em protesto ao presidente Jair Bolsonaro. O evento contou com a presença de Guilherme Boulos (PSOL), Ciro Gomes (PDT), dos ex-presidentes Lula (PT), Dilma Rousseff (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), além de lideranças de movimentos sociais e artistas. As principais bandeiras defendidas no evento foram a defesa da democracia, do pleno emprego, da disponibilidade de vacina para toda a população e extensão do auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia.

Comentários