Estudos provaram que um sapo colocado num recipiente, com a mesma água de sua lagoa, fica estático durante todo o tempo em que se aquece a água até que ferva. O sapo não reage ao gradual aumento da temperatura, às mudanças do ambiente, e morre quando a água ferve. Inchadinho e feliz!

Por outro lado, um sapo que é jogado neste recipiente já com a água fervendo salta imediatamente para fora. Meio "cozido", porém vivo!

No nosso dia a dia, no trabalho, na família, na sociedade presenciamos comportamentos similares ao do sapo fervido. Pessoas que não percebem as mudanças, acham que está tudo bem, que vai passar, que é só ficar paradinho e dar um tempo! E fazem um grande estrago, "morrendo" inchadinhos e felizes, sem terem percebido ou avaliado o resultado de suas ações (ou a falta delas). Já outros, ao serem confrontados com as questões, pulam, saltam; e agem para mudar.

Temos vários sapos fervidos por aí, prestes a morrer, porém boiando estáveis e impávidos na água que se aquece a cada minuto. Alguns profissionais, por exemplo. Não percebem ou não aceitam as mudanças. E ficam desatualizados, provocando um grande estrago em suas carreiras, morrendo inchadinhos e acomodados, sem terem participado ativamente das mudanças. Outros, felizmente, ao serem confrontados com as transformações, pulam, saltam, e provocam as mudanças necessárias.

Precisamos estar atentos para não sermos como os sapos fervidos. Pulemos fora, antes que a água ferva. O mundo precisa de nós, meio chamuscados, mas vivos, abertos para mudanças e prontos para agir.

Fonte: autor desconhecido