HORÁRIO DE VERÃ0 FAZ A DIFERENÇA

Empresários esperam que decisão sobre o horário de verão saia até o fim do  mês - Orla Notícias

Dois anos após a extinção do horário de verão, novo estudo realizado pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresenta o mesmo argumento usado pelo governo em 2019: a mudança no relógio não traz economia de energia significativa. Segundo a avaliação, o mecanismo poderia ajudar, mesmo que pouco, a atenuar o consumo nos horários de ponta, ou seja, quando há maior consumo de energia. Por isso, no diagnóstico entregue ao Ministério de Minas e Energia (MME) nesta semana, o ONS não faz recomendação alguma, pois o mecanismo teria um efeito “neutro”.

A avaliação foi feita a pedido da pasta diante da pressão crescente de alguns setores da economia e da grave escassez nos reservatórios das usinas hidrelétricas. O tema voltou à pauta após os segmentos do turismo, alimentação e comércio pedirem ao presidente Jair Bolsonaro a retomada do mecanismo, sob argumento de que poderia contribuir para a recuperação financeira dessas atividades. Já especialistas no setor elétrico afirmam que, mesmo que seja uma pequena economia de energia, seria relevante frente ao atual cenário que o setor elétrico passa.

O presidente do ONS, Luiz Carlos Ciocchi, afirmou que o estudo traz uma análise do mecanismo e que não foi feita recomendação por sua volta ou não. “Em poucas palavras: do ponto de vista energético, é neutro. Do ponto de vista de ponta (consumo nos horários de ponta), ajuda com o deslocamento da mesma, mas não atenua tanto assim. Sendo assim, para o setor elétrico ajuda pouco, e é claro, não atrapalha”, afirmou. “É neutro, não dá para recomendar, nem rejeitar”, disse.

Comentários