GOVERNO DO ESTADO REVOGA LIMITE DE ALUNOS EM SALA DE AULA

Resultado de imagem para SALA DE AULA

O governo do Rio Grande do Sul publicou, nesta segunda-feira, um novo decreto que retira o limite de 50% de ocupação nas salas de aula para a realização de atividades presenciais em creches, escolas e universidades. Agora, as instituições de ensino podem operar sem restrição quanto ao número de ocupantes. A decisão vale para todas as regiões, independente da classificação no mapa de Distanciamento Controlado.  A única exigência para a realização das aulas presenciais é o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as cadeiras dentro das salas. Na rede estadual, o retorno para as aulas está previsto para iniciar a partir de 8 de março, em modelo híbrido com atividades presenciais e remota. O decreto foi publicado no mesmo dia em que o Rio Grande do Sul manteve 16 regiões com risco alto para a Covid-19 no mapa do Distanciamento Controlado. Entre as justificativas, o gabinete de crise do Estado alertou para o reforço nos protocolos de prevenção à Covid-19 em meio ao Carnaval, em face ao rápido aumento na ocupação de leitos clínicos nesta semana, de 902 para 1.112. Esta demanda poderá vir a sobrecarregar os leitos de UTI nos próximos dias. 

NOVO LOTE DE VACINAS CHEGAM AO ESTADO SEMANA QUE VEM

Resultado de imagem para VACINAS LOTE

A imunização contra o coronavírus no Rio Grande do Sul será ampliada a partir da próxima semana com a chegada de um novo lote de 300 mil doses da vacina Coronavac, produzido pelo Instituto Butantan. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), ele deve chegar em solo gaúcho no dia 23 de fevereiro, na próxima terça-feira. O objetivo da pasta é não precisar interromper a campanha nesta semana. Até o momento, o Estado já recebeu 704.400 doses de vacinas contra a Covid-19, das quais 701.623 já foram distribuídas entre as coordenadorias de Saúde. De acordo com os dados estaduais, até esta segunda-feira, 345.747 pessoas já foram imunizadas com a primeira dose e 6.424 pessoas já concluíram a segunda – cuja aplicação iniciou no fim da semana passada. Em Porto Alegre, idosos entre 83 e 84 anos começarão a ser vacinados nesta terça-feira. Na última quarta, a Capital iniciou a vacinação da faixa etária a partir de 90 anos e baixou gradualmente até poder começar a imunizar o público a partir de 85 anos. Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, até ontem, haviam sido vacinados 12.833 pessoas de 14.728 previstas desta faixa etária. 

SAFRA DA UVA SURPREENDE PRODUTORES GAÚCHOS

Resultado de imagem para PARREIRAIS DE UVA

A safra 2021 da uva está surpreendendo os produtores com sua rentabilidade à medida em que ocorre a colheita, que está na metade final. A previsão do chefe do Escritório da Emater/RS-Ascar de Bento Gonçalves, Thompson Didoné, é de que a alta seja de 30% em volume em comparação a de 2020, quando se registrou 504 mil toneladas no Rio Grande do Sul. “A primavera foi relativamente seca e o inverno teve bastante frio, o que ajudou no desenvolvimento dos frutos e evitou o abortamento floral”, explica o presidente da Comissão Interestadual da Uva, Cedenir Postal. Em contrapartida, a qualidade deve ser menor que a safra passada, tendo em vista as chuvas seguidas que ocorreram em janeiro, que influenciaram no apodrecimento das bagas. “As variedades precoces, no entanto, estão com qualidade tão boas quanto as da safra 2020, porque foram colhidas em dias mais secos”, emenda Didoné. A previsão de mais chuvas também vem antecipando a colheita. Acompanhando o movimento dos produtores, as cooperativas e vinícolas estão atualmente recebendo uva até mesmo aos sábados. O preço que está vigorando é o mínimo (R$ 1,10 o quilo da variedade Isabel de 15ºC) estabelecido pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

AUTORIDADES ESTÃO PREOCUPADAS COM AS AGLOMERAÇÕES CARNAVALESCAS

Resultado de imagem para AÇÃO POLICIAL NAS aglomerações nas praias rs

O registro de um caso recente de contaminação da variante P1 da Covid-19 por um idoso de 88 anos, em Gramado, na Serra Gaúcha, gera preocupação com as aglomerações registradas durante o Carnaval ainda maior. Sabe-se, até agora, que a nova variante é ainda mais transmissível. Segundo  André Luiz Machado, médico infectologista do Grupo Hospitalar Conceição, mesmo que ainda não se tenham dados concretos sobre o nível de letalidade, o possível aumento no contágio é preocupante.  Em entrevista ao programa “Esfera Pública” da Rádio Guaíba, o médico ainda ressaltou que pode subir a pressão por falta de leitos nos hospitais. Conforme ele, segundo estudos, 15% dos infectados por essa cepa do coronavírus tiveram seu quadro clínico evoluindo para a forma mais grave da doença, precisando de atendimento. “Não temos capacidade no nosso sistema de atender esses 15% a mais”, enfatizou. “É lamentável a falta de comprometimento, responsabilidade e cooperação da população com a pandemia. Apesar da estratégia de prevenção com a vacina, apenas 2% da população brasileira foi imunizada”, criticou Machado.  Apesar de 20 dos 27 estados brasileiros terem cancelado as festas de Carnaval e dos decretos que impedem, por lei, celebrações em locais privados, na prática a situação tem sido diferente. Em entrevista, o subcomandante da Brigada Militar, coronel Vanius Cesar Santarosa, relatou que a situação no Litoral Norte do Estado está “bastante delicada”. Machado explicou, ainda, o porquê de abordagens mais leves: “As pessoas que estão fazendo aglomerações eu acredito que não têm noção da consciência do problema. Temos jovens que estão na beira da praia escutando música, dançando com os amigos”, disse. “Não são bandidos”, observou o oficial da Brigada Militar. Segundo o coronel, a ação da BM tem sido feita em conjunto com as prefeituras, e busca trazer a conscientização através do diálogo. “Tem uma parcela (da população) que não aceita isso de forma amigável. Mas é o nosso trabalho, precisamos fazer com  que o distanciamento seja cumprido. Tem gente que não aceita, mas é o jeito”, afirmou. Santarosa explicou que as aglomerações não se concentram em ambientes fechados, mas sim ao redor de bares, quiosques e pessoas com caixas de som na beira mar. Na praia de Capão da Canoa, apenas em uma noite, foram recolhidos 15 equipamentos. Desde o início da pandemia, a cidade, cuja população é estimada em 54 mil pessoas, já registrou 4.023 casos de Covid-19, com 80 mortes. 

GOVERNADORES E CONGRESSISTAS COBRAM MAIS VACINAS DE PAZUELLO

Resultado de imagem para VACINAS

Com doses de vacina contra a Covid-19 se esgotando, governadores e congressistas preparam uma ofensiva sobre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para acelerar a chegada de novos imunizantes ao país. A pressão sobre o general aumentou após Pazuello prometer que todo o país será imunizado ainda neste ano, mesmo com o governo federal patinando para ampliar a oferta de vacinas. O Fórum dos Governadores reúne-se com Pazuello na quarta-feira. Os chefes dos estados e do Distrito Federal vão cobrar, novamente, um cronograma para a entrega das doses. “Nos aproximamos de 30 dias do início da vacinação com perspectiva de alcançar apenas 3% da população brasileira vacinada. Neste ritmo não vai se concretizar o plano do governo de vacinar, até junho metade da população”, disse o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que coordena trabalhos do Fórum sobre vacina. O Ministério da Saúde afirma que 11,1 milhões de doses já foram entregues. Este volume serve para vacinar cerca de 6,5 milhões de pessoas. Segundo dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de saúde, o número de pessoas vacinadas no país chegou a cerca de 5 milhões no domingo. Os dados do Ministério da Saúde, que estão desatualizados, apontam cerca de 3 milhões de pessoas que receberam ao menos a primeira dose. Pressionado pela ameaça de uma CPI, Pazuello disse, no último dia 11, a senadores, que metade da população será vacinada até junho. O restante, até dezembro, disse o general. Segundo o ministro da Saúde, o Brasil trabalha para ter “reservas” de vacina e até mesmo exportar para outros países da América Latina.

Comentários