COVID 19: MAIS MORTES E MAIS INFECTADOS

O Brasil registrou 514 mortes pela Covid-19 e 34.130 novos casos nesta sexta-feira, segundo dados do Ministério da Saúde. Desde o começo da pandemia, o país totaliza 6.238.350 casos e 171.974 óbitos. Do total de infectados, mais de 5,53 milhões já estão recuperados.  Os estados de Goiás e Rondônia não transmitiram os números de hoje por razões técnicas. A média móvel de óbitos últimos sete dias está em 480, um aumento de 23% na comparação com a semana anterior. Já a média móvel de casos diários ficou em 31.169, acréscimo de 21,5% em relação ao dia 12 de novembro. A letalidade da Covid-19 — o percentual de mortos em relação aos infectados — se mantém em 2,8% no país. RGS – O governo do Rio Grande do Sul divulgou, nesta sexta-feira, que todas as 21 regiões foram classificadas preliminarmente com a bandeira vermelha no Distanciamento Controlado. Conforme a avaliação desta 30ª rodada, o número de pacientes internados em leitos clínicos e UTIs atingindo picos históricos, fez com que todo o território gaúcho fosse considerado como alto risco para a contaminação do novo coronavírus. Segundo o levantamento do governo, a situação piorou no último mês. De 30 de outubro a 26 de novembro, os indicadores apontam elevação de 26% (de 830 para 1.047) no número de hospitalizações confirmadas por Covid-19 e aumento de 30% (de 712 para 928) de internados em UTI por síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Além disso, o número de internados em leitos clínicos com coronavírus cresceu 54% (de 768 para 1.183) e o número de mortes subiu 31% (de 211 para 276). É a primeira vez que todas as regiões ficam em bandeira vermelha no modelo do Distanciamento Controlado, que foi implementado em maio. O mapa mais avermelhado até então foi o preliminar da 15ª rodada, que apresentou 16 regiões com risco alto. Após recursos, o mapa definitivo, vigente entre os dias 18 e 24 de agosto, deixou 14 regiões em vermelho.

FUNCIONALISMO: GOVERNADOR PROMETE PAGAMENTO INTEGRAL

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou no começo da tarde desta sexta-feira que a administração pagará em dia o salário de novembro de todos os servidores a partir da próxima segunda-feira, 30, após 57 meses de vencimentos parcelados. Leite, no entanto, não garantiu a mesma medida para os meses seguintes. A avaliação sobre o pagamento será feita mês a mês. Durante a live, Leite destacou que a notícia é importante e positiva. “O atraso sistemático era símbolo do desajuste das contas do Rio Grande do Sul. Fizemos um grande esforço, com medidas antipáticas, reformas profundas, contingenciamos o custeio do Estado. Estamos viabilizando esta notícia”, disse. “Não há aqui a garantia de que não haverá novos atrasos em função de um quadro econômico incerto, mas é um ato importante, fruto do esforço de um ano e dez meses de gestão”, acrescentou. 

BENTO: JUSTIÇA INVALIDA CANDIDATURA VENCEDORA

A juíza eleitoral de Bento Gonçalves, Romani Terezinha Bortolas Dalcin, decidiu, na noite de quarta-feira, a cassação da candidatura de Diogo Siqueira (PSDB) e Amarildo Lucatelli (PP), vencedora nas eleições disputadas no início do mês pela coligação Gente que faz Bento, representante da situação. A decisão também inclui uma investigação contra o prefeito Guilherme Pasin por improbidade administrativa. Isso porque a chapa vencedora do pleito eleitoral teria sido beneficiada com as notícias sobre obras e feitos da administração municipal publicadas no site da prefeitura e no perfil pessoal do prefeito nas redes sociais. A ação de pedido de investigação judicial é de autoria da coligação Bento Unido e Forte, do candidato Alcindo Gabrielli. A defesa dos acusados já anunciou que vai recorrer da decisão. Na sentença, a juíza Romani aponta propaganda irregular e uso da máquina pública da administração municipal durante as eleições municipais, a fim de beneficiar os candidatos Diogo e Amarildo.  Enquanto aguardam a reforma da sentença pelo TRE-RS, e tendo em vista que o recurso possui efeito suspensivo, Diogo e Amarildo serão diplomados e poderão assumir seus mandatos em 1º de janeiro. A Coligação Gente que Faz Bento e os candidatos confiam na Justiça Eleitoral para solucionar esse caso com brevidade, e sacramentar a vontade das urnas que elegeu Diogo e Amarildo com 30,54% dos votos.”

CASOS DE ESTRESSE E ANSIEDADE CRESCEM EM FUNÇÃO DA PANDEMIA

Estresse e ansiedade no trabalho | IMTEP | Saúde Empresas IMTEP | Saúde  Empresas

Casos de estresse e ansiedade no trabalho crescem em função dos reflexos da CovidA pandemia do coronavírus trouxe inúmeros problemas para a saúde mundial, não apenas fisicamente, mas o estresse e desgastes causados pelo isolamento ou a necessidade de seguir trabalhando em meio aos riscos pode contribuir para o aumento de distúrbios emocionais causados pelo cansaço. De acordo com a ISMA (International Stress Management Association), 30% dos mais de 100 milhões de trabalhadores brasileiros sofrem de Síndrome de Burnout, um conjunto de sinais e sintomas causados por excessos, principalmente no âmbito profissional. O diagnóstico de Síndrome de Burnout deve ser feito por uma orientação médica e o tratamento deve ser prescrito por uma psicóloga ou psiquiatra. No entanto, pequenas mudanças podem tornar a rotina do home office ou o ambiente de trabalho mais saudável. Com a reabertura gradual dos postos de trabalho e a retomada das atividades em diversos setores, alguns profissionais podem apresentar ansiedade, tanto pela volta ao convívio social quanto pela normalização das demandas e, em alguns casos, ao aumento delas.Para Renata Motone, consultora da Luandre Soluções em Recursos Humanos, é preciso manter as emoções equilibradas no trabalho, algo que tem sido um desafio no ambiente corporativo e que se intensifica em um cenário de pandemia.

Comentários