BRASIL TEM O MAIOR ÍNDICE DE CONTÁGIO

O Imperial College de Londres atualizou nesta terça-feira (24) os índices de transmissão do novo coronavírus no mundo todo. E, para o Brasil, a notícia é nada boa. Conforme o relatório da instituição britânica, a taxa de transmissão (RT) do vírus no País está em 1,30. Ou seja, cada 100 pessoas transmitem a doença para outras 130.O índice é o maior registrado no Brasil desde maio e indica que a pandemia está acelerando no País. Quando o índice fica acima de 1, o indicativo é de que o novo coronavírus está se espalhando e ganhando corpo. Abaixo de 1, é sinal de que a transmissão está em declínio. No relatório anterior, do dia 16 de novembro, o RT brasileiro era de 1,10. Ou seja, cada 100 pessoas contaminadas transmitiam o vírus para 110.O índice atual de transmissão só se compara ao da semana do dia 24 de maio, quando era de 1,31. Desde aquela data, o RT nunca esteve tão alto no País. O RT esteve abaixo de 1 no Brasil por cinco semanas consecutivas, entre o fim de setembro e o fim de outubro.

CORONAVAC, SE APROVADA, PODERÁ SER A 1ª VACINA NO BRASIL

Coronavac produz anticorpos contra covid-19 em 97% dos casos | Notícias  internacionais e análises | DW | 18.11.2020

CoronaVac pode se tornar a primeira vacina contra covid-19 a ser aprovada no Brasil, ficando disponível para aplicação em janeiro de 2021. Nessa segunda-feira (23), o Instituto Butantan anunciou a conclusão dos testes clínicos de fase 3 do imunizante, que agora depende apenas da autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com a instituição parceira da chinesa Sinovac na produção da vacina, o estudo já alcançou os requisitos exigidos para a abertura e a verificação da eficácia. Até agora, 74 participantes pegaram a doença, quantidade superior à requerida para esta fase, que era de 61 voluntários infectados pelo coronavírus. Com isso, os resultados serão enviados à Anvisa na primeira semana de dezembro, para a agência reguladora analisar os dados. A abertura possibilitará verificar quantos voluntários contaminados estavam protegidos, lembrando que os testes eram do tipo duplo cego, no qual metade recebe a vacina e os demais são tratados com placebo.

GOVERNO MUDA REGRA PARA AULAS PRESENCIAIS

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, anunciou, nesta terça-feira, que as regiões em bandeira vermelha poderão ter aulas presenciais nas próximas rodadas do Distanciamento Controlado. Em transmissão online, Leite informou que o governo do Estado se reuniu com o Ministério Público e promotores para esclarecer os protocolos sanitários usados nas escolas gaúchas, assim como o sistema híbrido, que divide o ensino em parte presencial e online, que permitiu que as mesmas fossem abertas em meio à pandemia. Um decreto será publicado até a manhã desta quarta-feira sobre o tema. “Passados oito meses de atividades com níveis de restrição, todos aprendemos a lidar melhor com o vírus e identificamos o quanto é importante mantermos as escolas funcionando com rigorosos protocolos sanitários”, disse durante a live. “Não como antigamente, mas com redução de alunos, com incrementos de efetivos de equipes de limpeza, com equipamentos de proteção individual”.  “Mantendo a observação, será possível manter as escolas em regiões com bandeira vermelha. A educação é prioridade, por isso tomamos essa decisão”, completou. A última alteração em relação às aulas presenciais ocorreu na 28ª rodada do Distanciamento Controlado. O Gabinete de Crise havia decidido que as escolas só poderiam fechar ou interromper as suas atividades presenciais quando a região entrasse na segunda semana consecutiva em bandeira vermelha. Ainda de acordo com a equipe técnica, quando a área retomasse a classificação de laranja ou amarela, as aulas presenciais poderiam ser retomadas imediatamente naquela mesma semana.  Nessa segunda-feira, o governo estadual colocou oito regiões em bandeira vermelha na 29ª rodada do Distanciamento Controlado. 

FLORES DA CUNHA INAUGURA ESCOLA CÍVICO-MILITAR

Carlesse lança na segunda o 12º colégio militar do Tocantins e projeta 30  unidades até ano que vem – Cleber Toledo - Portal CT

A  Secretaria Municipal de Educação de Flores da Cunha, informa que ocorre nesta sexta-feira às 14h a cerimônia de inauguração do projeto da Escola Municipal Cívico-Militar Tancredo de Almeida Neves. O evento será restrito a autoridades e convidados, devido às restrições do distanciamento social. O monitor militar voluntário Marcelo Viana já está atuando na instituição, implantando as rotinas do novo  método, junto aos alunos dos anos finais e do turno integral. A Escola Municipal Cívico-Militar Tancredo de Almeida Neves será a primeira instituição municipal da serra gaúcha a receber o projeto aprovado pelo Governo do Estado. O governo Bolsonaro anunciou o Plano Nacional das Escolas Cívico-Militares (PECIM), que pretende implementar o modelo em 216 escolas até 2023. O governo federal investirá cerca de 1 milhão de reais por escola para o pagamento dos militares, melhoria da infraestrutura das unidades e materiais escolares.

QUEIJO QUE NÃO É QUEIJO

Queijo Provolone

Presentes nas prateleiras dos supermercados, produtos análogos aos queijos têm preocupado o setor leiteiro pela confusão que gera entre os consumidores. Eles têm aparência e textura semelhantes e possuem aromas que imitam os lácteos, mas são produzidos a partir de gordura vegetal, água e amido. A comercialização deste tipo de produto é permitida no Brasil, mas entidades cobram mais clareza de informações nos rótulos destas mercadorias que têm competido com os alimentos de origem animal, derivados de leite. “As pessoas, muitas vezes, acham que estão consumindo muçarela e quando vão ver é um produto análogo”, relata o administrador do Laticínio Doceoli, de Santo Cristo, Fernando Zimmermann. É comum encontrar nos supermercados itens similares aos queijos, utilizando nas embalagens termos como “sabor requeijão”, “sabor cheddar”, “sabor muçarela”. Para evitar o engano dos consumidores, a então deputada federal Tereza Cristina, hoje ministra da Agricultura, protocolou em 2018, na Câmara dos Deputados, o projeto de lei 10556, proibindo o uso da palavra leite e seus derivados em produtos de origem vegetal, que não possuem o mesmo valor nutricional dos lácteos. O texto recebeu no ano passado parecer favorável do relator na Comissão da Defesa do Consumidor, mas encontra-se arquivado. O Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Rio Grande do Sul (Sindilat), que é favorável à aprovação do projeto de lei, defende a criação de penalização monetária para os fabricantes de produtos similares que usarem nas embalagens descrições indevidas. “O setor não quer a proibição da comercialização deste tipo de produto, mas quer que se dê o nome correto”, ressalta o secretário-executivo do Sindilat, Darlan Palharini.

TOMASETTO ENGENHARIA INVESTE 28 MILHÕES EM CENTRO LOGÍSTICO

A Tomasetto Engenharia anunciou investimento de R$ 28 milhões para construção de um Centro Logístico, em uma área de 11 hectares no município de Alvorada, na divisa com Gravataí, com acesso pela ERS-118 e a 1,5 quilômetro da freeway. O empreendimento é o primeiro nesse segmento realizado pela empresa familiar de Veranópolis (RS), que atua na construção e incorporação de imóveis residenciais e comerciais há 39 anos. O novo espaço na Região Metropolitana será locado. Conforme Romeu Tomasetto, diretor comercial da empresa, o Centro Logístico ocupará 18,5 mil metros quadrados de área construída e contará com um pavilhão, separado em módulos, com 2 mil a 16 mil metros quadrados de área. Tomasetto informa que a área foi adquirida antes da pandemia, e a demanda de grandes empresas por centros logísticos fez o projeto ser acelerado. O empresário explica que o local é um atrativo para operações de distribuição e logística, porque a área tem acesso pela ERS-118 e por uma rua vicinal ao Distrito Industrial de Alvorada. O diretor comercial também explica que para atender as necessidades logísticas, os galpões serão construídos, tendo pé direito com 12 metros de altura. O início das obras, segundo o executivo, será no primeiro semestre de 2021, com a conclusão prevista para 2022. A construção do Centro Logístico deve gerar cerca de 150 empregos diretos. A comercialização dos espaços iniciará em breve. “Já colocamos um outdoor em frente à área e já estamos começando as conversas”, revela. A Tomasetto Engenharia analisa novas possibilidades de expansão dos negócios. “Esperamos ter sucesso neste empreendimento e se gostarmos (do negócio), com certeza, iremos pensar em outros (no futuro). É um segmento que irá crescer muito ainda. Claro, nós somos estreantes no segmento”, acrescenta. No segmento de construção e incorporação de imóveis residenciais, a empresa tem obras em Porto Alegre e em Gravataí. Para 2021, a Tomasetto Engenharia já tem um plano elaborado. “Temos dois lançamentos  para a Capital”, completa. (fonte: Jornal do Comércio)

Comentários