A região da Serra, que inclui 49 municípios da região, deixou a bandeira vermelha e voltou à bandeira laranja no modelo de distanciamento controlado do governo do Estado. A mudança do nível alto para o médio de risco de contágio pelo novo coronavírus foi anunciada neste sábado (20) e as regras passam a valer a partir de segunda-feira e até o dia 29 deste mês. A união das prefeitura da Serra em abrir novos leitos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) deu resultado. Os 31 novos leitos desse tipo inseridos no sistema do Estado até a sexta-feira garantiram à região a reclassificação no modelo de distanciamento controlado. O que fez a diferença na reavaliação estadual sobre a situação da Serra foi o registro dos novos leitos da região, entre a quarta (17) e a quinta-feira (18), junto à Secretaria Estadual da Saúde (SES), o que aumentou a capacidade na área de cobertura de Caxias para 224 unidades. Foram cinco em Caxias, instalados no Hospital da Unimed; oito em Gramado, no Hospital Arcanjo São Miguel; cinco em Farroupilha, no Hospital São Carlos; 13 em Bento Gonçalves, no Hospital Tacchini. Durante a apresentação dos dados, o governador Eduardo Leite, mostrou que, na última semana, as hospitalizações subiram de 63 para 76 em Caxias, mas, apesar de ter aumentado, não ocorreu na mesma proporção da semana anterior quando tinha passado de 23 para 63. Ainda houve aumento no número de leitos livres para atender pacientes com covid-19 que eram 33  e passaram para 82 com a abertura dos novos.

O Congresso vota nesta semana o adiamento das eleições municipais. O Senado deve analisar o tema na 3ª feira (23.jun.2020). O adiamento das eleições é discutido por causa da pandemia. Há o temor de que aglomerações causadas pelo processo eleitoral, na campanha e na votação, facilitem a disseminação do coronavírus. A mudança precisa ser feita por meio de PEC (proposta de emenda à constituição), que já foi apresentada (PEC 18 de 2020). Esse tipo de projeto é o mais difícil de ser aprovado: precisa de 3/5 dos votos dos deputados e senadores em 2 turnos de votação em cada Casa. O adiamento terá mais dificuldade para avançar entre deputados que entre senadores. Prefeitos que tentarão se reeleger passaram a fazer forte pressão sobre a Câmara quando ficou claro que prorrogar mandatos era uma hipótese fora de cogitação. A ideia é que o 1º e o 2º turno saiam de 4 e 25 de outubro, respectivamente, para datas até o meio de dezembro. Assim, seria possível manter a posse em 1º de janeiro. A proposta aumenta o tempo de validade da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) e a quantidade de pontos por infração que podem ser recebidos, com algumas condicionantes. A oposição tentará obstruir.

O Brasil ultrapassou oficialmente a marca de 50 mil mortes por covid-19, neste domingo (21), após a divulgação dos dados pelo Ministério da Saúde. Nas últimas 24 horas, as secretarias estaduais de saúde notificaram 641 óbitos. Com isso, o total de vítimas saltou para 50.617.  O País é o segundo isolado em números absolutos de vítimas fatais em todo o mundo, atrás apenas dos Estados Unidos (119.868), de acordo com o mapa de monitoramento da pandemia criado pela Universidade Johns Hopkins. De ontem para hoje, segundo a pasta, foram contabilizados 17.459 novos casos da doença. Agora, são 1.085.038 pessoas infectadas pelo vírus. O governo federal estima, no entanto, que 549.386 já estão recuperadas.

OMS: VACINA ATÉ DEZEMBRO

As primeiras centenas de milhões de doses de vacinas para a Covid-19 deverão estar disponíveis até o final do ano para serem aplicadas nas pessoas mais vulneráveis. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (18) pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A agência da ONU indicou que está trabalhando nessa perspectiva, com o objetivo de atingir 2 bilhões de doses até o final de 2021, pois há uma corrida contra o tempo das empresas farmacêuticas para encontrarem a vacina. A cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, enfatizou que trata-se de uma probabilidade, já que até agora não há vacina aprovada. No mundo, os pesquisadores estão trabalhando em mais de 200 possíveis vacinas, dez das quais já estão na fase de testes clínicos em humanos. “Se tiverem sorte, haverá uma ou duas candidatas a uma potencial vacina até o final do ano”, afirmou Swaminathan em entrevista por vídeo. A prioridade serão os que atuam na linha de frente, como médicos e policiais, assim como os mais vulneráveis à doença, como idosos e diabéticos. A eles, se somam também as pessoas expostas em áreas de alta transmissão, como as favelas. “Você precisa começar com os mais vulneráveis e depois vacinar progressivamente mais pessoas”, explicou Swaminathan.

Bolsa Família. Serão favorecidas hoje 1,9 milhão de pessoas que fazem parte do programa e possuem o último dígito do NIS igual a 4. O calendário desse grupo seguirá até 30 de junho. Para os demais grupos de cadastrados pelo aplicativo e site do banco ou pelo CadÚnico, o governo federal e a Caixa ainda não divulgaram o calendário da 3ª parcela. A Caixa concluiu o saque da segunda parcela aos que receberam a primeira até 30 de abril. Para os que receberam após essa data também ainda não foi definido o calendário da segunda parcela. Segundo o banco, já foram pagos R$ 81,3 bilhões a 63,5 milhões de beneficiários inscritos por meio do Cadastro Único, do Programa Bolsa Família, ou pelo site e pelos aplicativos da Caixa.

Comentários