Emprego intermitente disparou após reforma trabalhista

O Brasil criou 492 mil novos empregos formais de outubro de 2018 a outubro deste ano, de acordo com estudo do Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas do Bradesco. Os empregos intermitentes –de até 20h semanais–correspondem a 27% do número total de vagas criadas, segundo o levantamento.

Mais empregos no RS

Responsáveis por 4,1% da força de trabalho no Rio Grande do Sul, setores vinculados à cultura, criatividade, conhecimento e inovação geram mais empregos do que segmentos tradicionais da economia gaúcha. Pesquisa inédita sobre o universo de profissionais que atuam diretamente na chamada economia criativa mostra que eram mais de 130 mil os empregos formais neste segmento em 2017. O contingente é superior, por exemplo, aos postos de trabalho na indústria calçadista ou setor automobilístico, e se aproxima de áreas com alto poder de geração de vagas, como a construção civil. Atualmente, o Rio Grande do Sul registra mais de 48 mil microempreendedores individuais (MEIs) que atuam em segmentos como publicidade, artes visuais, ensino da cultura, design e moda entre outras. Esses são alguns aspectos do estudo divulgado nesta terça-feira (10), a partir de parceria entre a Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) e a Secretaria da Cultura (Sedac) que buscou compreender características e potencialidades deste segmento no Estado e situá-lo no contexto do mercado nacional.

Governo Federal espera regularizar 600 mil propriedades

O presidente do Incra, Geraldo de Melo Filho, afirmou que o governo tem meta regularizar 600 mil propriedades nos próximos três anos com a medida provisória que prevê regras para regularização fundiária. Segundo o governo, a medida “moderniza” e “simplifica” o processo.

Prisão em segunda instância

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou nesta terça-feira (10), por 22 votos a 1, o projeto de lei que altera o Código de Processo Penal e abre a possibilidade para que a justiça passe a autorizar o início do cumprimento da pena após a condenação ser confirmada pela segunda instância. Como o projeto foi substancialmente alterado, os parlamentares votaram um substitutivo. Por isso, a proposta precisa passar por uma nova análise da CCJ, que está marcada para acontecer já na manhã desta quarta-feira. Como o projeto está em caráter terminativo, após esse turno suplementar, poderá seguir direto para análise dos deputados.

Comentários