Emater/RS-Ascar recebe 108 novos veículos

O Governo do Estado entregou 108 novos veículos para a frota da Emater/RS-Ascar, nesta manhã (11/02), com o objetivo de garantir o serviço de assistência técnica e extensão rural e social prestado a mais de 230 mil famílias de agricultores familiares do Rio Grande do Sul, nas questões técnica, econômica, social e ambiental.

De acordo com o presidente da Emater/RS, Iberê de Mesquita Orsi, os carros, devidamente adesivados e vistoriados, estão sendo encaminhados, já nesta tarde. “Com eles, os técnicos da Emater poderão levar as políticas públicas estaduais, federais e municipais, que garantem importantes resultados para o setor primário do Rio Grande do Sul, aos mais longínquos rincões desse nosso Estado”, afirmou o presidente, que destacou ainda a abrangência e capilaridade dos serviços prestados, por meio de um escritório central, 12 regionais e 494 municipais. “E uma força de trabalho de 2.132 servidores, levando as mais simples e complexas tecnologias ao homem do campo”, complementou.

Os automóveis Fiat Mobi Like Flex 1.0 ano/modelo 2018/2019 foram adquiridos em convênio firmado, ainda em 2016, com o Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e de valor global de R$ 4,8 milhões, o qual também contempla aquisição e cedência de 120 ultrabooks, já entregues para a Emater. O governo gaúcho adquiriu os veículos novos por meio de licitação, sendo vencedora a empresa que apresentou o melhor preço.

O governador do Estado, Eduardo Leite, afirmou que cuidar da agricultura familiar é cuidar da economia do Estado. “Os carros são instrumentos de trabalho, obviamente não fazem nada sozinhos. Mas dão suporte ao serviço qualificado e fundamental da Emater, especialmente nas pequenas propriedades. As novas técnicas e tecnologias, quando chegam com a devida orientação até a ponta, podem significar mais renda para os produtores. E o campo é um setor vital, que precisa ser fortalecido, até mesmo para enfrentar a nossa crise financeira”.

Segundo o titular da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), Covatti Filho, é preciso renovar a estrutura da Emater, que ainda tem automóveis da década de 1980. “Temos que dar as melhores condições possíveis aos técnicos e extensionistas, que já prestam um excelente serviço, mas precisam de modernização. A gente ainda está muito preso ao papel e dá pra atualizar com tecnologia. Por isso os ultrabooks e os carros”. 

Para Orsi, os novos veículos qualificam e ampliam os serviços da Instituição, melhorando os resultados das ações de assistência técnica e extensão rural e social, como o Crédito Rural, com 149,8 mil projetos de custeio e investimento elaborados num total de R$ 4,4 bilhões de recursos diponibilizados nos últimos quatro anos. E outros 4,8 mil projetos pelo Feaper no valor de R$ 59,6 milhões. Além da elaboração de projetos técnicos de Crédito Fundiário a 700 famílias somente em 2018.

Somente em 2018, foram realizados atendimentos a mais de 1,6 mil famílias pelo programa de Aquisição de Alimentos (PAA); 1,9 mil pelo PAA Doação Simultânea; 1,9 mil famílias pelo PAA Compras Instituicionais e mais de 4 mil famílias pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Com destaque aos editais de chamada pública no valor de R$ 20 milhões para unidades prisionais, nos dois últimos anos; organização de uma rede de cooperativas para comercialização e logística, com participação de 42 cooperativas. Além da realização de sete seminários regionais e um seminário estadual sobre redes de intercooperação para participar nos mercados institucionais.

A Emater/RS-Ascar também dá apoio a gestão em 192 cooperativas, por meio de ações individualizadas de assessoria gerencial para execução das atividades planejadas com os empreendimentos da agricultura familiar. E, por meio do Programa Mais Gestão, em parceria com a Anater, foi aportado recursos de R$ 15 milhões para assistir 124 cooperativas da agricultura familiar até 2020.

Nessa última gestão, ainda foram intensificadas as ações na produção de grãos, com a utilização de técnicas e tecnologias voltadas ao uso racional e à eficácia nas aplicações dos insumos, de forma a contribuir para o aumento da produção e produtividade no Estado, buscando garantir a eficiência econômica, a utilização racional dos solos, a redução dos impactos ambientais, bem como aumentar a qualidade dos alimentos produzidos. Neste período, foram realizadas, em média, 8 mil perícias por ano, nas culturas de trigo, aveia, canola e cevado no inverno e soja, milho e feijão no verão.

Outro destaque desta gestão é o Programa Lavoura de Resultados, que por meio do Manejo Integrado de Pragas (MIP), reduziu o uso de inseticidas, na safra de 2018, de 3,9 aplicações para 1,6; e registrou redução de 58,97% do uso de agrotóxicos nas áreas monitoradas. Os avanços internos ficaram por conta da integração com solos e defesa sanitária vegetal e, em âmbito externo, a consolidação e evolução das parcerias com Embrapa, Massey Ferguson e Syngenta, além da UFRGS, UFSM, UPF, Seap e IFFRS. Foram instaladas 52 Unidades de Referência Técnica (URT), ao ano, com acompanhamento semanal, durante 15 semanas, e realizados 60 dias de campo com 14.340 participantes.

Os técnicos da Emater, preocupados com a alimentação, realizaram diagnósticos de feiras livres, num total de 513 em todo o Estado, e assessoramento de 3.540 agroindústrias familiares. Só em 2018, foram mais de 70 famílias atendidas na atividade de segurança e soberania alimentar; sendo 40,7 mil famílias que produzem para autoconsumo de forma convencional e 24,9 mil famílias que produzem para autoconsumo de forma ecológica.

A atuação da Instituição contempla as ações do Plano Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica e Programa de Agricultura de Base Ecológica. No último ano, foram atendidas 265 feiras ecológicas; 1,6 mil famílias e 1,2 mil produtores organizados em 153 grupos. A produção de plantas bioativas (medicinais, aromáticas, condimentares e produtoras de óleos essenciais), em 2018, ficou a cargo de um total de 66 hortos municipais; 178 hortos comunitários; 8.348 hortos domésticos e 213 hortos escolares. Além da realização de 32 cursos de 40 horas no Centro de Treinamento de Nova Petrópolis; 2 em Não-Me-Toque e um em Erechim.

Por meio do Programa de Gestão da Agricultura Familiar, o valor médio/anual da produção para autoconsumo das famílias cadastradas é de R$ 11,6 mil na renda familiar. Nos últimos quatro anos, foi feita a sensibilização de 31.263 famílias e o acompanhamento de 15.712 planos de gestão por meio deste programa.

“O nosso trabalho também engloba ações de turismo rural, com projetos desenvolvidos com a Câmara Temática do Estado, que apoiam à promoção turística de rotas em eventos estaduais, realiza diagnósticos periódicos, além de manter uma página na internet para divulgação de estabelecimentos de turismo rural. Nos últimos quatro anos, foram 142 municípios atendidos e 431 estabelecimentos receberam melhoria em 107 rotas e roteiros turísticos”, apontou o presiente da Emater/RS. 

Entre 2015 e 2018, foram realizados 607 cursos de capacitação nos centros de treinamento, envolvendo 228 intrutores e 8.671 participantes. Com destaque para o curso de empreendorismo e desenvolvimento para 27 jovens rurais.

“Desta forma, cumprimos a nossa missão de promover o desenvolvimento rural sustentável no Rio Grande do Sul. E atendemos o compromisso constitucional de manter a política estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural e Social (ATERS), garantindo assim o apoio técnico às famílias rurais de todo o Estado”, concluiu. 
 

Foto: Rogério Fernandes

Comentários